Prefeitura cria os ‘jornaleiros sociais’ para pessoas em situação de rua venderem revista

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

No lançamento da revista “Traços” no Rio, nesta segunda-feira (26), a Prefeitura do Rio, através das secretarias municipais de Assistência Social, Cultura e Ordem Pública, anunciou uma nova atividade profissional na cidade: o “jornaleiro social”. Apresentada aos cariocas no Museu de Arte do Rio (MAR), a publicação será vendida inicialmente por 80 moradores em situação de rua, os Porta-Vozes da Cultura.

“O prefeito Eduardo Paes sempre diz que quer da gente garra, força, que a gente transforme o Rio de novo. E é isso que estamos fazendo aqui: todo mundo junto e cada um da sua forma. Vocês é que vão transformar, vocês é que sabem o que têm que construir para melhorar, nós só damos a mão. O importante é vocês estarem se comunicando novamente com a cidade do Rio, e isso é um direito de qualquer cidadão, portanto de cada um de vocês. Então sejam muito felizes, vendam muita revista e voltem para suas vidas, para suas famílias, que é o propósito da Assistência Social: que cada um possa reviver”, afirmou a secretária Laura Carneiro.

O secretário de Ordem Pública, Brenno Carnevale, explicou que os porta-vozes da cultura passam a ser também jornaleiros sociais, “pois esta é a forma que a Prefeitura tem de fazer política com inclusão.

Para o secretário de Cultura, Marcus Faustini, “um projeto que combina experiência cultural com ação social é uma ideia muito bem-vinda e necessária para o Rio de Janeiro”. “Além de gerar renda, a ‘Traços’ é um projeto importante de fortalecimento de vínculos e se apresenta também como economia criativa. Nosso trabalho está só começando”, afirmou Reinaldo Gomes, diretor-geral da revista.

“Os grandes beneficiados somos nós, pela oportunidade de estar aqui num projeto como esse. Vamos torná-lo cada vez maior”, disse Fabiano Machado, da BAT Brasil, a principal patrocinadora do projeto. Também estiveram presentes no lançamento a subprefeita da Zona Sul, Ana Ribeiro, Cláudio Nascimento, do grupo Arco-Íris, e Porta-Vozes da Cultura, caso de Antônio Videres, 57 anos, que conta sua experiência de reinserção nas páginas da revista.

Criada em Brasília há seis anos, a “Traços” chega à primeira edição fluminense com a sambista Teresa Cristina na capa. Haverá vendas em regiões do Centro e da Zona Sul do Rio. A unidade sai por R$ 10, e R$ 7 ficam para o vendedor que reinveste os R$ 3,00 restantes na compra de mais revistas, mantendo assim o ciclo de geração de renda.

Eles são treinados e recebem crachá e colete de identificação, além de acompanhamento personalizado para planejamento financeiro e de vida e encaminhamentos para a rede socioassistencial e inserção em atividades e ações culturais. Os porta-vozes passam por treinamento com oficinas, respeitando os protocolos de segurança sanitária.

Fonte: Diário do Rio

Sobre a laura Carneiro

Atual secretária municipal de Assistência Social, Laura Carneiro é advogada formada pela Uerj, aos 22 anos. Coautora do Estatuto do Idoso, autora de milhares de proposições e de leis de defesa da mulher, da criança e do adolescente. Foi vereadora pela primeira vez aos 25 anos e mais três vezes, e deputada federal quatro vezes.

Últimas Noticias

Siga-nos

Laura Carneiro no YouTube

Assine a nossa newsletter